sábado, 29 de agosto de 2009

Paradoxal - Juliana Moretti (06/05/2005)

Hoje é um daqueles dias em que queria gritar teu nome...
Sinto muita angústia dentro de mim...
Como queria que fosses livre...
Como queria que estivesses aqui...
Sinto falta de alguém que nunca esteve comigo...
Perdi alguém que nunca me pertenceu...
Fiquei sem ti... Mesmo nunca tendo estado ao teu lado.

Recomeçar... - Juliana Moretti (24/05/2005)

Recordar é viver! Parar no passado é que é morrer... Morrer no sentido de deixar de viver o hoje pensando no ontem esquecendo que um futuro totalmente diferente estará esperando por nós... E que pessoas ainda estarão entrando em nossas vidas e serão especiais tão qto as que já estão em nossa vida... e as que já sairam dela, cada uma sua maneira... Nenhuma pessoa substituirá outra, mas cada uma terá papel fundamental na minha vida... Acho que tá na hora de eu ressuscitar, né?! E entender que algumas pessoas realmente precisam ir, pq talvez o seu papel em minha vida já tenha sido cumprido.

O fracasso - Juliana Moretti (08/06/2005)

O que me vem em mente agora é: O fracassar está mais no abaixar de nossas cabeças do que em nossas próprias derrotas... Bem, essa frase que eu escrevi é inspirada na frase: “Fracassar não é cair, é recusar-se a levantar”.
Como eu sempre disse, não pule etapas na tua vida. Se algo acaba devemos sim ter nossos momentos de luto, mas nada que dure muito, só o tempo suficiente para que possamos nos reerguer e recomeçar... Logo é preciso reagir, é preciso levantar e caminhar com a cabeça erguida, sempre projetada para frente... Continuar no “chão” depois de uma derrota, depois de uma perda, para mim é comodismo ou até mesmo auto-piedade... E dó é o pior sentimento que uma pessoa pode ter da outra, porque a dó não faz o ser humano crescer, já que ele irá se conformar em ser um derrotado sempre.
Portanto devemos nos enxergar sempre como vitoriosos, porque é isso o que somos... O que devemos tirar de proveitoso das derrotas é o aprendizado, não caindo no mesmo erro e assim tendo um bom caminho andado para a tão sonhada satisfação pessoal. Tenha certeza que depois de uma queda você irá dar muito mais valor para os bons momentos, porque algumas vezes é preciso viver o lado ruim de algo para poder reconhecer o lado bom quando estiver o vivendo... É como eu li em algum lugar: “Só conhecerá o vinho doce, aquele que já provou o amargo”... Lembrando que algumas vezes aprendemos com os erros e aprendizado dos outros, uma vez que a vida é muito curta para cometermos todos os tipos de erros...
Então absorva o máximo possível das coisas que podem lhe servir lá na frente! Seja feliz... Vc já tem a essência pra isso... A sua própria vida!

Quando não se quer esquecer - Juliana Moretti (14/07/2005)

Um, dois, quatro meses... Tempo nenhum é suficiente pra se esquecer o que não se quer esquecer...
Por diversas vezes pensei: “Como queria que a situação fosse outra”. Bem... O que no fim deveria ser diferente não era a situação, mas sim a sua postura diante dela, o seu interesse. A situação é perfeita, o teu desinteresse é o que me torna lamentosa... O teu descaso perante o que eu quis que desse certo (sem te dizer, é claro! E muito menos dizer aos outros...) é o que me toma os pensamentos e faz doer... A sua ausência, o seu “não me importo com você” é o que não me deixa te esquecer, é o que me tenta, é o que me faz te escrever e o que me faz te querer.
Queria mostrar que sou mais do que você supõe, mostrar quão pouco você me conhece... Mas o seu distanciamento só te mostra o meu pior, só te mostra como sou sufocante e só te faz querer se distanciar ainda mais. E de repente se o tenho por perto me desconserto, pois você me fez aceitar que nunca o terei ao meu lado... Fez com que eu me acostumasse (sem acostumar e sem entender) que só posso tê-lo por algumas horas, quando a embriaguez não faz de nós desconhecidos, não faz de nós odiosos, não faz de nós estúpidos, apenas vivemos o momento... Mas na “sobriedade” (no outro dia) anseio por estar contigo novamente, sabendo que não estarei, pois pra você passou, era só aquele momento e nada mais...
Não quero mais alguém por apenas um momento... Alguém que vai embora sem que eu possa dizer o que penso ou sinto, por ter medo, medo de saber que isso não terá importância, nem o momento, nem as palavras que eu disser.
Queria alguém para compartilhar vida, dividir experiência, sem pensar muito no que e em como dizer, não tendo que me importar com o que essa pessoa pensaria de mim, porque saberia quem eu sou e compreenderia o que eu dissesse e fizesse.
Não queria sentir essa vontade e esse medo de procurá-lo... De dizer que queria te ver, estar contigo e dizer que mesmo você sendo o oposto do que sonhei pra mim, eu sem querer, passei a me importar e a gostar de você... Ah meu Deus, eu também sou imperfeita!
Mas por que?! Por que gostar de você se é tão diferente de mim? Por que gostar de alguém que não se importa, de alguém que ignora, alguém que não pensa se está me ferindo ou não? Talvez porque eu não possa tê-lo... Mesmo entendendo que não possuímos as pessoas, elas gostando de nós ou não, nós nunca as possuiremos. E eu nunca quis possuir você, apenas o queria por perto.
Como queria que você me entendesse e não me julgasse pelos meus anseios, meus medos e encanações...
Mas a verdade é que você nunca gostará de mim, pois meu jeito de ser (o que eu não quero e não vou mudar) te incomoda.
Sei que não vai me procurar e que jamais saberá disso tudo, jamais saberá que te gosto, porque com você sendo assim, sempre precisarei esconder o que sinto pra você não me machucar (sim, a culpa é minha por permitir), pra não sofrer mais e pra você não roubar o que de mais belo possuo e você nunca conhecerá, algo que nesse exato momento é teu, mas nunca te pertencerá...

Amores que se acabam... - Juliana Moretti (18/09/2005)

E mais uma paixão é abafada...
Difícil, porém a melhor coisa a ser feita...
Melhor não ter quem eu quero ao meu lado do que perder a amizade que conquistei...
Sim... Tô me conformando...
Passei da fase do “estou apaixonada” pra fase do “preciso esquecer”.
Quando será que vou gostar de alguém que também possa gostar de mim? Chega de amores platônicos... Chega de achar que sou sempre eu que to perdendo...
Chega de insistir no que já está definido como acabado e sem futuro.
Tudo que não começou por não ter que começar... Tá se desgastando sem tem por que se desgastar...
Já não me dói mais vê-lo... O que me dói é não conseguir ser mais a mesma... É ter medo de olhar nos olhos, por saber que eles entregarão que eu ainda preciso de tempo, de tempo sem vê-lo, de um tempo pra eu realmente começar a esquecer... Mas como não vê-lo, como me distanciar se me sinto tão bem próxima a ele? Mas outras vezes tudo que quero e preciso é fugir... Hoje o pensar nele não me traz mais o sorrir nos lábios e o brilho nos olhos... Hoje o pensar nele me traz um abaixar de cabeça e um vazio, onde não há alegria e nem tristeza, apenas um vazio... E eu queria ser completa... Não há culpados... Mas espero que não me peçam pra deixar de sentir, que não me peçam pra fingir, que não me peçam pra esquecer... Eu vou esquecer... Dêem-me tempo, deixem-me respirar, respeitem quando eu não puder sorrir, não me forcem a ser quem eu não sou...
P.S. Revoltada? Não... SUFOCADA!

sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Não - Juliana Moretti (02/04/2003)

Não, não quero você!
Eu quero quem foi e não quem é.
Quero aquele que me ouvia, que queria saber como eu estava de verdade,
E não este que prefere a minha omissão a saber como eu realmente me sinto;
Quero aquele que chamava por mim,
E não este que me evita;
Quero aquele que me desejava com ânsia,
E não este que nem de minha amizade faz questão;
Quero aquele que me pedia pra gritar e botar pra fora o que sentia,
E não este que hoje pede pra guardar o que sinto pra mim;
Quero aquele que me fazia chorar de saudade,
E não este que me faz chorar tristeza;
Quero aquele que me fazia sentir única,
E não este que me faz sentir como apenas mais uma;
Quero aquele que me trazia próximo ao seu peito,
E não este que me afasta cada vez mais de si;
Quero aquele que relembrava os bons momentos comigo,
E não este que evita lembrar de qualquer recordação;
Quero aquele que realmente queria tentar,
E não este que na primeira oportunidade desistiu;
Quero aquele que nem do rosto lembrava,
E não este que hoje o rosto tento lembrar;
Quero aquele que me completava,
E não este que me deixa um vazio no peito;
Quero aquele que resolveu sumir devido à dor,
E não este que sorri fingindo ser feliz;
Quero aquele que me fazia passar horas suspirando,
E não este que me faz perder horas lamentando;
Quero aquele que eu tinha certeza que nunca me arrependeria,
E não este que faz com que eu comece a me arrepender;
Quero aquele que não existe mais ou talvez nem tenha existido,
E não este que eu não esperava existir;
Quero aquele que me deixava nas nuvens, que me fazia flutuar,
E não este que me trouxe ao chão com uma queda brusca;
Quero aquele que queria se apaixonar,
E não este que lamenta por eu ter me apaixonado.

Mais uma vez e sempre - Juliana Moretti (24/06/2005)

Autobiografia?
Não, não quero falar sobre minha própria vida... Não uma vez que por ela posso me envergonhar de uma porção de coisas... Mas eu vivi... Ah! Eu vivi.
Nem sempre sorrisos brotam de minha face... Mas as lágrimas que insistentes tentam permanecer muitas vezes são mascaradas pelo mais ínfimo sorriso que eu possa esboçar... Eu não gosto da tristeza, mas a busco o tempo todo para poder escrever...
Ah, como queria viver das palavras... As palavras que podem ser mutáveis, as palavras que não podem voltar atrás, as palavras que constroem e até aquelas que foram feitas pra ferir...
O ato de escrever me cativa demasiadamente... Através das palavras me liberto assim como através das mesmas eu acabo me prendendo...
Gritos silenciosos explodem dentro de mim... Como queria pôr pra fora tudo em forma de inspiração... Mas só penso no ser humano... Nada mais me vem em mente a não ser como o homem pode ser tão adorável e detestável ao mesmo tempo.
Penso na facilidade com que me apego e me desligo das pessoas... Penso no quanto me importo e ignoro a existência de alguns... E isso me leva a pensar também na forma como as pessoas agem em relação a mim...
Quem as pessoas pensam que eu realmente sou? Quem na verdade eu sou?
Eu sou a que se faz depressiva, a que busca a infelicidade, ou sou a que ri como se rir fosse meu oxigênio?
Sou a que corre atrás das pessoas e que se mostra sempre preocupada e a postos, ou sou a que finge não ver, a que atravessa a rua pra não dar de encontro com alguém, ou até a mesma que não atende aos telefonemas e não responde aos e-mails e correspondências?
Enfim, eu sou a que sufoca com a presença ou a que deixa saudade pela ausência?
Sou a que chora por ter sido lesada, mas que sempre acaba lesando alguém...
Sou um ser humano imperfeito, que fere e que não gosta de ser ferido...
Que se envergonha, mas não deixa de extravasar quando tem suas vontades...
Hoje sou o que ontem jamais pensei ser... Mas talvez hoje seja o que inconscientemente ontem eu sempre quis ser... E o que será de mim no amanhã? Misterioso amanhã...
Gosto de me imaginar no amanhã, mas não tenho mais tanta criatividade pra isso... Eu não faço mais planos... Se hoje vendo quem sou, não sei o que quero, porque eu iria fazer planos para um alguém que eu não conheço? Um alguém que não saberei no que irá se transformar no decorrer das horas...
Ah, é melhor viver agora do que esperar pelo amanhã imprevisto, pelo amanhã incerto...

Alguém pode me fazer dormir? - Juliana Moretti (22/02/05)

Tenho ódio, nojo e remorso dentro de mim...
Ódio por quererem que eu seja uma coisa que não sou...
Nojo por me submeter a ser apenas mais uma...
Remorso por pensar que as pessoas podem mudar, que se importam e que são verdadeiras (pelo menos de vez enquando) comigo...
Eu tento, juro que tento, mas não consigo me adaptar a esse mundo... Esse mundo onde as pessoas se usam, esse mundo onde todo sentimento é vulgarizado, esse mundo onde o amor tem virado utopia...
Meu verdadeiro eu está cada vez mais longe de mim... Cada vez mais escondido, cada vez mais medroso...
Eu tento ser racional e agir como qualquer outra pessoa, mas eu não duro muito tempo nessa “racionalidade”...
Droga, eu sou uma idiota sentimental que criou um mundinho e se decepciona todas as vezes que sai de dentro dele e vai em busca da realidade, do mundo que com certeza não é meu...
Eu só queria adormecer e acordar com a certeza de que eu amava e era amada e que bastava apenas um sinal de ”sinto sua falta” pra ter essa pessoa do meu lado... Mas não, eu estou cada vez mais sozinha... Quem diz gostar de mim está longe, mas será que gostaria de mim se estivesse perto, convivendo comigo todos os dias? Quem está perto e diz gostar... Não mostra que gosta quando tem a oportunidade... E mais decepção!
Eu sou tão idiota que entro numa canoa furada e fico remando, na esperança de que a canoa não afunde e que ela me leve a algum lugar... Mas eu sempre acabo me afogando...
Não consigo mais controlar minhas lágrimas, estou totalmente sufocada... Como eu queria gritar...
Será que alguém me enxerga aqui? Será que alguém não vê que não preciso de mais angústia e de mais decepção? Será que alguém não vê que eu não sei jogar? Que eu não sei fingir sentir o que não sinto? Que eu sempre acabo sorrindo quando na verdade eu queria chorar?
Que dor... Porque eu sempre tenho que errar e me importar com isso?
Porque eu prossigo quando sei que algo não vai dar certo?
Porque eu me envolvo em coisas que não tem futuro e que nem são tão boas pra mim assim?
E no fim... Só minhas lágrimas caem... Só eu tenho lembranças... Só eu fico agoniada... Só eu perco... Porque o outro... Ah, o outro não se importa comigo.
É, que fim triste...
Droga, eu estou tendo pena de mim mesma...

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

Felicidade não tem preço... Pra todas as outras eu tenho o meu VISA!rs


Esse post não é pra dizer nada não... É só pra constar o quanto eu tô feliz!ahuahauhauahua




Isso ninguém paga, essa vontade louca de viver, esse riso fácil, esse coração transbordando sentimentos bons! Muiiiiiiiiiiito feliz, muiiiiiiiiiito em paz, muiiiiiiiito bem comigo! E adivinhe? Ninguém é o culpado por isso, somente eu mesma... =) Essa é a melhor parte!!! Agora vou "desacelerar" porque eu preciso dormir, senão quero ver a minha alegria amanhã(hoje) quando eu acordar!kkkkk Bjoookas pra quem um dia em algum lugar do mundo chegar a ler isso aqui!rs

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Voltar a ser criança...


Hoje só tenho uma coisa a dizer... Como eu gostaria de ser criança ainda... Ser adulto é uma droga.. Adultos têm umas necessidades idiotas, enquanto as crianças ficam felizes por tão pouco! Alguém ai, me ensina o caminho de volta pro útero da minha mãe?!

domingo, 16 de agosto de 2009

Insônia

Mais de 4h da manhã e eu aqui ligaaaaaaaaaaaada que só!rs
O corpo pedindo cama, mto mto cansada, o olho jorrando água... Mas a cabeça não desliga! Eu hein? Se eu deitar talvez eu durma, se eu ler um livro apago rapidin, maaaaas cá estou olhando as estrelinhas no teto (valeu, Fred!rs)... Aiai como eu gosto de estrelas!kkkk
A noite meus pensamentos são tão perigosos... Tenho mto medo de pensar de noite! E principalmente medo de ficar perto de aparelhos como o computador e o celular!ahuahuahuahua Eita tentação... Feliz aquele que foge das tentações bem devagarzinho para dar tempo de ser alcançado por elas!rsrsrs Eu fujo das tentações como uma louca, e nem sei porque faço isso, devo ser uma doida mesmo que não gosta de curtir as coisas boas da vida, só pode! Dizem que mulher que anda na linha o trem pega, mas o que será que acontecem com as mulheres que não andam?rs Se as boas meninas vão pro céu e as más para onde quiserem, para onde eu devo ir?! Eiiiiiiiita... Eu disse que tenho medo de pensar de noite, pior, de madrugada! Felizes aqueles que não sofrem de insônia!!! Mais felizes os que moram na "cidade grande" onde ninguém as conhece e elas podem viver um pouco mais folgadas, mais livres, cercada de estranhos que não irão ficar regulando a vida delas para virar fofoca no outro dia! Nossa, isso foi profundo!kkk Mas por que eu deveria me preocupar com que os outros dizem, né? Que se dane os outros...
Papai do Céu, me proteja, por que estou à um passo de sair da linha e ir pra onde eu quiser! Talvez a resposta esteja em perder o controle, a cabeça e a razão! x)

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

Paz...

Tava aqui pensando em como tenho me sentido ultimamente... Caramba! Quem disse que o amor é o melhor sentimento do mundo? Quanta mentira! Os apaixonados e as pessoas que ainda acreditam no amor (eu não deixei de acreditar, só pra constar) que me desculpem e parem de ler agora, mas o amor passa longe de ser o melhor sentimento... Como diria a minha sempre citada Clarice Lispector: "Estou sofrendo de amor feliz. Só aparentemente que isso é contraditório. Quando se sente amor, tem-se uma funda ansiedade. É como se eu risse e chorasse ao mesmo tempo. Sem falar no medo de que essa felicidade não dure. Preciso ser livre - Não agüento a escravidão do amor grande, o amor não me prende tanto. Não posso me submeter a pressão do mais forte"... Gente, na boa, o amor é angustiante. Isso mesmo... ATORMENTADOR! Bom, é claro... Para mim! É bom eu deixar bem claro que é isso que penso do amor a partir de minhas experiências sentimentais, por isso peço encarecidamente para as pessoas sentimentais ignorarem essas linhas, porque apesar de eu ser sentimental também, hoje descobri um outro sentimento, um sentimento que deixa o amor no "chinelo"... A paz!
Não sei como explicar isso, mas é assim que me sinto, totalmente em paz... Foi uma série de fatores que me levaram a hoje me encontrar assim... Primeiro o rompimento com o amor, o amor por outra pessoa, depois as boas vindas ao meu amor próprio... Depois a percepção de que a minha felicidade e todas as coisas que eu busco e desejo para a minha vida sempre vão depender somente e tão somente de mim. Poxa vida! Que mais posso querer? Não me descabelo mais com aquele medo da outra pessoa deixar de me amar, não espero por demonstrações de amor que nunca vêm, não choro com saudades de ninguém, não devo satisfações a outra pessoa, não preciso me anular para fazer outra pessoa feliz e nem preciso aceitar coisas de outra pessoa que me deixam extremamente infeliz... Não tenho mais aquela insegurança de que existem zilhões de pessoas mais interessantes que eu no mundo e que logo serei trocada por uma delas... Nada, exatamente nada!
De repente isso tudo pode parecer solidão... Mas como me sentir só se eu tenho a mim? Se eu tenho a única pessoa da qual eu sei que vou contar SEMPRE? Não, isso não é solidão... Isso é auto-aceitação... Eu passei a ter noção exata de quem eu sou e de todas as minhas capacidades. Passei da autoflagelação ao amor próprio! Parei de querer ser quem eu não era pra poder fazer outra pessoa feliz! Parei de tentar me entender, quando não há problema comigo se eu me aceito na forma que ajo e acredito nas coisas que penso... Essa sou eu, e mudar pra quê? Mudar pra quem? Mudar sim, com o tempo, com as minhas experiências, crescer sempre... Mas no meu tempo e não no tempo dos outros. Não, eu não ficarei estagnada, apenas respeitarei a mim e as minhas vontades, até o dia que eu acordar e pensar: "Opa! Isso aqui não me serve mais...". Não terei posturas e nem idéias e ideais eternos... A gente aprende, o tempo ensina... E no fim eu não preciso me cobrar nada, porque sempre serei a mesma e nunca serei a mesma. Confuso eu sei... Mas quem sou eu? Eu sou eu e mais as circunstâncias... Serei sempre a mesma Juliana, minha essência não muda, mas acabamos sempre incorporando na gente tudo que vivemos... Seremos sempre um amontoado de coisas e fatos... Um amontoado de vida, muita vida!
E essa paz... Ah! Essa paz ninguém mais toma de mim!

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Das vantagens de ser bobo - Clarice Lispector

O bobo, por não se ocupar com ambições, tem tempo para ver, ouvir e tocar o mundo. O bobo é capaz de ficar sentado quase sem se mexer por duas horas. Se perguntado por que não faz alguma coisa, responde: "Estou fazendo. Estou pensando."
Ser bobo às vezes oferece um mundo de saída porque os espertos só se lembram de sair por meio da esperteza, e o bobo tem originalidade, espontaneamente lhe vem a idéia.
O bobo tem oportunidade de ver coisas que os espertos não vêem. Os espertos estão sempre tão atentos às espertezas alheias que se descontraem diante dos bobos, e estes os vêem como simples pessoas humanas. O bobo ganha utilidade e sabedoria para viver. O bobo nunca parece ter tido vez. No entanto, muitas vezes, o bobo é um Dostoievski.
Há desvantagem, obviamente. Uma boba, por exemplo, confiou na palavra de um desconhecido para a compra de um ar refrigerado de segunda mão: ele disse que o aparelho era novo, praticamente sem uso porque se mudara para a Gávea onde é fresco. Vai a boba e compra o aparelho sem vê-lo sequer. Resultado: não funciona. Chamado um técnico, a opinião deste era de que o aparelho estava tão estragado que o conserto seria caríssimo: mais valia comprar outro. Mas, em contrapartida, a vantagem de ser bobo é ter boa-fé, não desconfiar, e portanto estar tranqüilo. Enquanto o esperto não dorme à noite com medo de ser ludibriado. O esperto vence com úlcera no estômago. O bobo não percebe que venceu.
Aviso: não confundir bobos com burros. Desvantagem: pode receber uma punhalada de quem menos espera. É uma das tristezas que o bobo não prevê. César terminou dizendo a célebre frase: "Até tu, Brutus?"
Bobo não reclama. Em compensação, como exclama!
Os bobos, com todas as suas palhaçadas, devem estar todos no céu. Se Cristo tivesse sido esperto não teria morrido na cruz.
O bobo é sempre tão simpático que há espertos que se fazem passar por bobos. Ser bobo é uma criatividade e, como toda criação, é difícil. Por isso é que os espertos não conseguem passar por bobos. Os espertos ganham dos outros. Em compensação os bobos ganham a vida. Bem-aventurados os bobos porque sabem sem que ninguém desconfie. Aliás não se importam que saibam que eles sabem.
Há lugares que facilitam mais as pessoas serem bobas (não confundir bobo com burro, com tolo, com fútil). Minas Gerais, por exemplo, facilita ser bobo. Ah, quantos perdem por não nascer em Minas!
Bobo é Chagall, que põe vaca no espaço, voando por cima das casas. É quase impossível evitar excesso de amor que o bobo provoca. É que só o bobo é capaz de excesso de amor. E só o amor faz o bobo.



(Eu não sabia da existência da leitura desse texto feita pela Aracy Balabanian, mas graças ao Gustavo Lopes de Oliveira aqui está! Obrigada, Guuuuuuuu! =* )

Olha eu aqui outra vez... O retorno, a saga continua!rs

Pois é... Depois de "centos" anos... I came back!!!rs =P

Sei lá o que esse blog vai virar, mas as intenções para com ele são boas...rs De repente me deu vontade de voltar a escrever, e acho que esse é um bom caminho... O RETORNO! É praticamente o "mais do mesmo", mas digamos que a Juliana que aqui está, tenha muito e nada da outra Juliana... TRANSIÇÃO! A palavra é essa... Eis a moleca virando mulher!!! ^^